Buscar
  • rafagarofano

TCU reafirma a possibilidade de empresas em recuperação judicial participarem de licitações

por Fabricio Abdo Nakad

Em recente decisão, o Tribunal de Contas da União – TCU reafirmou a possibilidade de empresas em recuperação judicial participarem de processos licitatórios. O entendimento do TCU se torna especialmente importante diante das crescentes dificuldades financeiras enfrentadas por diversas sociedades empresárias que contratam com a Administração Pública neste período de pandemia e de forte recessão econômica.


Referida decisão (Acórdão 1201/2020 - Plenário) foi proferida em sessão telepresencial realizada em 13/05/2020, no âmbito da qual foi julgada Representação (Processo 037.266/2019-5) formulada ao TCU por empresa que apontou possíveis irregularidades em Pregão Eletrônico (27/2019) conduzido pela Autoridade Portuária de Santos S.A. para contratação dos serviços de dragagem de manutenção do canal de acesso e berços de atração do Porto de Santos. A empresa representante se insurgiu, entre outros apontamentos, contra previsão do Edital de desclassificação automática de licitantes em processo de recuperação judicial.


Ao apreciar a matéria, a unidade técnica (Secretaria de Fiscalização de Infraestrutura Portuária e Ferroviária – SeinfraPortoFerrovia) do TCU considerou que é possível a participação de empresas em recuperação judicial em certames licitatórios, desde que demonstrada a viabilidade econômica e financeira da empresa. Asseverou, ainda, que “não se trata de vedar a exigência editalícia da certidão negativa de falência ou recuperação judicial, e sim a relativização durante a fase de julgamento, conforme o caso e as circunstâncias da fase do processo de recuperação judicial, cabendo a empresa em tal situação demonstrar sua viabilidade econômica”.


No voto proferido pelo Ministro Relator Vital do Rêgo, destacou-se que a jurisprudência do TCU “converge para a admissão da participação de licitantes em recuperação judicial, desde que amparadas em certidão emitida pela instância judicial competente, que certifique que a interessada está apta econômica e financeiramente a participar de procedimento licitatório nos termos da Lei 8.666/1993”, conforme já decidido pela Corte de Contas no Acórdão 8.271/2011-TCU-2ª Câmara, de relatoria do Ministro Aroldo Cedraz.


Destaque-se que esse entendimento do TCU reflete decisão já proferida pelo Superior Tribunal de Justiça – STJ (AREsp 309.867/ES), de acordo com a qual “2. Conquanto a Lei n. 11.101/2005 tenha substituído a figura da concordata pelos institutos da recuperação judicial e extrajudicial, o art. 31 da Lei n. 8.666/1993 não teve o texto alterado para se amoldar à nova sistemática, tampouco foi derrogado. (...) 4. Inexistindo autorização legislativa, incabível a automática inabilitação de empresas submetidas à Lei n. 11.101/2005 unicamente pela não apresentação de certidão negativa de recuperação judicial, principalmente considerando o disposto no art. 52, I, daquele normativo, que prevê a possibilidade de contratação com o poder público, o que, em regra geral, pressupõe a participação prévia em licitação. (...) 7. A exigência de apresentação de certidão negativa de recuperação judicial deve ser relativizada a fim de possibilitar à empresa em recuperação judicial participar do certame, desde que demonstre, na fase de habilitação, a sua viabilidade econômica”.


Dessa forma, apesar do inevitável aumento do número de recuperações judiciais neste momento de forte retração econômica, a situação de recuperação não deve, por si só, obstar a participação da sociedade empresária em oportunidades de contratação junto ao poder público. Desde que demonstrada a viabilidade econômica de cumprimento do futuro contrato, a participação em licitações e contratações públicas pode ser inclusive uma forma bastante eficaz de manutenção da operação de empresas em dificuldade que buscam superar esse momento de adversidade.

498 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

contato@garofano.com.br

+55 11 3214-3499 

  • White LinkedIn Icon

©2019 by Igor Grellet. Todos os direitos reservados a Garofano

Av. Angelica, 2503, cj. 47
São Paulo, SP